A última execução pública na guilhotina

Devo admitir que eu estava completamente errado em relação à história das execuções por guilhotina. Na minha cabeça, esta prática estava totalmente associada com a Revolução Francesa, portanto,  nunca imaginei que ela havia chegado até aos nossos dias. A última decapitação na guilhotina ocorreu há apenas 36 anos, na França. A duvidosa honra de ser o último executado na guilhotina caiu sobre o imigrante tunisiano Hamida Djandoubi, a 10 de setembro de 1977, embora o uso legal do instrumento ainda levasse mais quatro anos para ser abolido.

A primeira morte na guilhotina ocorreu em 25 de abril 1792 com a execução do ladrão e assassino Jaques Pelletier . Embora tradicionalmente associada com a Revolução Francesa, a  guilhotina e dispositivos idênticos foram usados ​​muito mais cedo em locais tão diversos como Grã-Bretanha , a Alemanha ou a Suécia a partir do século XIII.

800px-LouisXVIExecutionBig
Execução pública do rei Luís XVI

O nome guilhotina é devido ao médico e humanista Joseph Ignace Guillotine , que recomendou-a como o método mais humano para a execução da sentença de morte, uma vez que reduzia a dor dos condenados. A produção do modelo usado pela primeira vez na França foi realizada pelo alemão, fabricante de cravos, Tobias Schmidt , auxiliado por seu amigo, o carrasco de Paris, Charles-Henri Sanson. A história da guilhotina é amplamente conhecida, nela morreram figuras históricas importantes, como o rei Luís XVI, Maria Antonieta ou o mesmo Robespierre .

A guilhotina é uma máquina  constituída por uma lâmina de aço com um contrapeso na parte superior de cerca de 60 a 70 quilos, a qual desliza em alta velocidade sobre os carris para fazer a decapitação dos condenados. De acordo com alguns estudos, por vezes, a cabeça permanecia consciente até 30 segundos depois de separada do corpo.

guilhontina
Modelos de guilhotinas usados na França

Desde 1792, milhares de pessoas foram executadas na guilhotina, condenadas pela lei francesa. Durante grande parte do século XX, muitas vozes importantes  pediam a abolição da pena de morte, e, portanto, da guilhotina.
Em julho de 1974, Djandoubi sequestrou Elizabeth Bousquet e levou-a para a residência dele, onde, à vista das prostitutas que agenciava, agrediu fisicamente Elizabeth e a torturou com um cigarro aceso, queimando-a nos seios e na área genital. Elizabeth Bousquet sobreviveu às agressões e torturas. Sendo assim, Hamida Djandoubi levou-a de carro para os arredores de Marselha e estrangulou-la.

Após a detenção e subsequente, Djandoubi foi condenado à morte em fevereiro de 1977. Depois de vários apelos, todos julgados improcedentes, a execução foi realizada na manhã de 10 de setembro de 1977. Embora, na última hora houvesse sido feito um recurso para o próprio Presidente, naqueles anos Valéry Giscard d'Estaing , ele foi rejeitado e  a execução ocorreu. O próximo presidente, Françoise Mitterand proibiu o uso da guilhotina em 1981.

01381039-300 1977_guillotine
       Prisão e execução de  Djandoubi

A abolição do uso da guilhotina na Europa foi progressivo. Na Suécia , a guilhotina deixou de ser usada em 1910, na Bélgica , em 1918, na Alemanha Ocidental , em 1949, e na antiga República Democrática Alemã em 1969. O carrasco de Djandoubi foi Marcel Chevalier . Ele foi o último carrasco oficial da história da França.
Outro verdugo famoso na história da guilhotina foi Fernand Meyssonier (que disse não ter tido um único arrependimento em toda a carreira). Em em todos os seus anos como  carrasco profissional, Meyssonier acumulou  mais de 220 ​​execuções.
A última execução pública na guilhotina A última execução pública na guilhotina Reviewed by Bento Santiago on abril 14, 2013 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.