http://kid-bentinho.blogspot.com.br/

Os 5 melhores laterais-esquerdos brasileiros de todos os tempos

O futebol brasileiro sempre contou com excelentes laterais-esquerdos, mas, depois de Roberto Carlos, me arrisco a afirmar que não houve na posição um outro nome que possamos chamar de craque. Diferente da situação atual, em tempos que já são história, a seleção brasileira contava com laterais-esquerdos que faziam a diferença dentro dos gramados. Na minha opinião, os cinco dessa lista foram os melhores.


5 – Branco

Branco contra a Holanda

O gaúcho Cláudio Ibraim Vaz Leal, conhecido no futebol  pelo apelido de Branco, jogou em vários clubes: Internacional, Porto, Genoa, Corinthians, Fluminense.  Ídolo eterno dos tricolores cariocas, Branco também marcou época vestindo a camisa da seleção brasileira; foram 72 partidas, três Copas do Mundo ( 1986, 1990 e 1994 ) e 9 gols, entre eles, o marcado no jogo contra a Holanda, no Mundial de 1994, que, de tão decisivo, fez do lateral um dos heróis daquela conquista.


4 – Marinho Chagas
O lateral-esquerdo Marinho Chagas

No futebol moderno é obrigação dos laterais apoiar o ataque, contudo nem sempre foi assim. Nas década de 1970 e 1980, quando o potiguar Marinho Chagas largava a defesa e partia para o campo do adversário, os treinadores iam à loucura. Marinho Chagas, taticamente, estava muito à frente de seu tempo, o que lhe valeu o apelido pejorativo de “Avenida Marinho Chagas”.  Ídolo do Botafogo, o lateral-esquerdo era dono de um chute forte e preciso, marcando muitos gols de falta. Marinho jogou 36 partidas defendendo a seleção, marcando 4 gols. Ele disputou a Copa do Mundo de 1974, quando a seleção ficou em quarto lugar. O “Diabo Loiro”  faleceu em 1 de junho de 2014.


3 – Júnior
Júnior - lateral-esquerdo

O paraibano Leovegildo Lins da Gama Júnior, conhecido no futebol apenas por Júnior, desfilou o seu talento por décadas,  pelos campos do mundo inteiro. Jogador de extrema técnica e rara habilidade, tinha grande visão de jogo, precisão nos passes e também era ótimo cobrador de faltas. Antes de ir para a Europa, atuava como lateral-esquerdo, no Velho Mundo passou a jogar no meio-campo; em ambas as posições mostrou a mesma maestria. Júnior é o jogador com o maior número de jogos pelo Flamengo: 614 jogos. Com a seleção brasileira disputou 88 jogos, participou de duas Copas do Mundo ( 1982 e 1986 ) e marcou  8 gols. Em 1982, fez parte do mítico time de Telê Santana, que apesar de não ter conquistado a Copa, é considerado por muitos como a melhor seleção brasileira de todos os tempos. No Mundial da Espanha, Júnior marcou um gol contra a Argentina, que ficou imortalizado pela famosa comemoração em ritmo de samba.


2 – Roberto Carlos
Roberto Carlos

O lateral-esquerdo Roberto Carlos é um daqueles jogadores com os quais não há meio termo: ou você o venera, ou você o odeia. Dono de um poderoso chute com a perna esquerda, Roberto Carlos colecionou títulos por onde passou. Ídolo do Palmeiras, ele viveu o auge de sua carreira durante os 11 anos em que defendeu o Real Madrid; foram 584 jogos pelo clube espanhol, onde conquistou três  Ligas dos Campeões. Com a seleção brasileira foram 125 partidas e 11 gols. Roberto Carlos foi nosso lateral-esquerdo em três Copas do Mundo ( 1998, 2002 e 2006 ), sendo campeão em 2002. Em 2006, ele protagonizou um lance no mínimo polêmico: enquanto o lateral arrumava a meia, o francês  Thierry Henry marcava o gol que mandou o Brasil de volta para casa.


1 – Nílton Santos
Nílton Santos - o maior lateral-esquerdo de todos os tempos

Nílton Santos é um dos poucos jogadores de defesa que pode ser elevado à categoria de gênio. O lateral-esquerdo vestiu somente duas camisas: a do Botafogo e a da Seleção Brasileira. Disputou quatro Copas do Mundo, sagrando-se bicampeão em 1958 – 1962. A técnica, a habilidade de Nílton Santos fizeram com que ele fosse chamado de “Enciclopédia do Futebol”. Em 2000, a FIFA o elegeu como o melhor lateral-esquerdo de todos os tempos. Nílton Santos faleceu em 2013.
“ Tu em campo, parecia tantos, e no entanto, que encanto! Eras um só, Nilton Santos.” – Armando Nogueira