Fotos de uma 2ª Guerra Mundial quase desconhecida

Existem milhares de fotografias sobre a Segunda Guerra Mundial que nos dão um retrato bastante fiel do horrendo conflito. Logicamente, a participação das potências militares e econômicas envolvidas na conflagração é sempre a mais destacada, entretanto, centenas de povos espalhados pelo mundo foram arrastados para o turbilhão da guerra. Nessa postagem, tentaremos resgatar a memória desses “coadjuvantes”, cujo papel na Segunda Guerra Mundial é por vezes esquecido nas sombras da história.

México na  Segunda Guerra Mundial

Combatentes mexicanos do Esquadrão 201  da Força Aérea Expedicionária Mexicana, a FAEM, posam com uma bomba onde se lê em uma parte, “Tequila. 1000 libras”. O México entrou na guerra contra as potências do Eixo depois que  submarinos alemães afundaram dois petroleiros mexicanos em maio de 1942. Em 29 de dezembro de 1944, o senado mexicano autorizou o envio de tropas mexicanas ao combate. A FAEM recebeu então uma base no campo Porac, em Pampanga, no complexo Clark Field, na ilha de Luzon, onde o esquadrão liderou 59 missões de combate sobre os japoneses. Fotografia tomada em Luzon, nas Filipinas, em junho de 1945.

Filipinas Segunda Guerra Mundial

Retrato de Gerilino Bening, um jovem combatente da resistência filipina, anexado à Companhia B, do 96º Regimento de Infantaria, durante a Batalha de Leyte; a invasão anfíbia do Golfo de Leyte nas Filipinas por forças americanas e guerrilheiros filipinos, que durou de 14 de outubro de 1944 a 26 de dezembro de 1944. A operação lançou a Campanha das Filipinas, cujo objetivo era a reconquista aliada e a libertação de todo Arquipélago das Filipinas, para acabar com quase três anos de ocupação do Japão Imperial. Leyte, Filipinas, outubro de 1944.

Romênia - Segunda Guerra Mundial

Soldados romenos disparam contra tropas soviéticas perto de Novorossisk. Quando os alemães lançaram a Operação Barbarossa, invadindo a União Soviética em 22 de junho de 1941, a Romênia se juntou à ofensiva. A contribuição romena na invasão foi enorme. O número total combatentes romenos na Frente Oriental, dividos entre o Terceiro Exército da Romênia e o Quarto Exército da Romênia, era menor, nas forças invasoras, apenas ao da própria Alemanha nazista. O exército romeno manteve um total de 686.258 soldados ativos no verão de 1941 e um total de 1.224.691 no verão de 1944. O número de tropas romenas enviadas para lutar na União Soviética excedeu o de todos os outros aliados da Alemanha em conjunto. Em agosto de 1944, o rei Miguel I da Romênia lideraria um golpe bem sucedido e a Romênia mudaria de lado, juntando-se aos Aliados durante os últimos meses da guerra. Fotografia tirada nas proximidades de Novorossisk, Rússia, União Soviética, fevereiro de 1943.

Ucrânia - Segunda Guerra Mundial

“Voluntários” ucranianos da 14.ª Divisão de Granadeiros da Waffen SS Galizien (1.ª Ucraniana) marcham através das ruas de Lviv, ocupada pelas forças do Eixo (antes do início da guerra a cidade chamava-se Lwów e pertencia à Polônia ). No fundo, soldados e oficiais alemães vigiam os procedimentos. Aproximadamente 81.999 homens ucranianos do Distrito da Galícia se alistaram nas forças nazistas.  Embora a maioria desses homens tenha sido alistada de maneira compulsória, houve realmente muitos voluntários ucranianos que lutaram pelos nazistas. Eram ucranianos cansados do domínio soviético que sonhavam com uma Ucrânia independente. Fotografia tomada em Lviv, distrito da Galícia, Ucrânia, União Soviética, em abril de 1943.

Armênia -Segunda Guerra Mundial

Soldados armênios da Legião Armênia da Wehrmachtchegam ao sul da França para reforçar as defesas costeiras no Mediterrâneo. Aproximadamente 33.000 homens armênios serviram em batalhões de campo alemães, enquanto outros 7.000 serviram em unidades logísticas e outras unidades não combatentes. A maioria dos soldados na legião eram ex-soldados do exército soviético que foram tomados como prisioneiros de guerra pelos alemães e optaram por lutar pelos alemães ao invés de enfrentar as terríveis condições dos campos de prisioneiros nazistas. Pequenos números se uniram livremente aos alemães como nacionalistas que se opunham à inclusão da Armênia como república soviética. As autoridades militares alemãs descobriram que os armênios eram mal treinados, mal motivados e, muitas vezes, propensos a desertar, revoltar-se e ajudar o inimigo. Após a guerra, os Soldados da Legião Armênia foram repatriados para a União Soviética, onde a maioria foi julgada por traição e executada ou enviada para morrer nos gulags.  Fotografia tirada por Erwin Schultz, perto de Toulon, França, em fevereiro de 1944.

Bulgária - Segunda Guerra Mundial

Partidários búlgaros da Frente da Pátria, movimento de resistência da Bulgária, entram na capital, Sofia. A Bulgária conseguiu manter-se neutra no início da guerra na Europa. Depois,  pressionada pela Alemanha, os líderes búlgaros assinaram o Pacto Tripartite em 1° de março de 1941,  juntando-se ao bloco do Eixo com pouca oposição dos civis búlgaros. No entanto, um movimento de resistência, a Frente da Pátria, começou a se organizar em 1942. Após um  golpe de Estado, o governo do Eixo caiu e foi substituído por um novo, que a Frente da Pátria também não apoiou, acusando-o de ainda abrigar membros pró-nazismo. Em 5 de setembro, a União Soviética declarou guerra à Bulgária e três dias depois os soviéticos cruzaram a fronteira, ocupando a parte nordeste do país, com as tropas búlgaras não oferecendo resistência.  Na véspera de 9 de setembro de 1944, depois de tomar pontos estratégicos em Sofia e prender ministros do governo, a Frente da Pátria tomou o poder, nomeando Kimon Georgiev como  primeiro-ministro. Os búlgaros rapidamente mudaram de lado e se alinharam com os Aliados na guerra contra as potências do Eixo. Fotografia tirada em Sofia, Bulgária,  em setembro de 1944.

Filipinas - Segunda Guerra Mundial

Guerrilheiros filipinos posam com armas fornecidas pelos Aliados para ajudar a combater a ocupação japonesa das Filipinas. Segundo estimativas, durante a ocupação japonesa, cerca de 260.000 filipinos, a maioria civis, fizeram parte de organizações anti-japonesas clandestinas. Tal era a eficácia desses guerilheiros, que no final da guerra o Japão controlava apenas doze das quarenta e oito províncias do país. Fotografia tirada na região de Davao, Mindanao, Filipinas, em novembro 1944.

Leia também: A terrível Marcha da Morte de Bataam

Palestina - Segunda Guerra Mundial

Recrutas árabes alinham-se no pátio de  um quartel no Mandato Britânico da Palestina, em 28 de dezembro de 1940, para receber instruções de um soldado britânico. Cerca de 6.000 árabes palestinos se alistaram no Exército Britânico durante a Segunda Guerra Mundial.

Nigéria - Segunda Guerra Mundial

Soldados nigerianos da Royal West African Frontier removem os marcos de fronteira da  Itália fascista, que marcavam os limites entre a Itália Oriental e o Quênia, após a derrota dos italianos na Campanha da África Oriental. Embora os italianos se rendessem aos aliados após a batalha de Gondar em novembro de 1941, centenas de soldados italianos lutariam uma campanha de guerrilha na África Oriental por quase mais dois anos, até o Armistício de Cassibile ser assinado em de setembro de 1943. Condado de Garissa, Quênia. Dezembro de 1941. Fotografia tirada pelo tenente H.J Clements, da Unidade de Cinema e Fotografia do Exército Britânico.

Grécia - Segunda Guerra Mundial

Soldados gregos lutam contra a invasão italiana nas montanhas da Albânia durante a guerra greco-italiana, que durou de 28 de outubro de 1940 a 23 de abril de 1941. Os soldados se preparam para disparar um canhão de 65 mm enquanto que  o oficial de artilharia à direita calcula a trajetória do projétil. A guerra greco-italiana marcou o início da Campanha dos Balcãs e a contraofensiva grega inicial foi a primeira campanha bem sucedida dos Aliados contra as forças do Eixo na guerra. Albânia. Novembro de 1940.

Birmânia - Segunda Guerra Mundial

Dois guerrilheiros da etnia Kachin, recrutados pelo Destacamento 101, comparam um rifle americano, um modelo britânico Lee-Enfield feito nos Estados Unidos, com uma espingarda de cano longo usada pelos tribos das colinas na Birmânia. Em 14 de abril de 1942, a Coordenadoria de Informações (precursora do Escritório de Serviços Estratégicos), enviou o Destacamento 101 para o combate atrás das linhas inimigas na Birmânia.



Sendo a primeira unidade de seu tipo, o Destacamento 101 tinha como objetivo reunir informações, atacar os japoneses através de ações de guerrilha, identificar alvos para a Força Aérea do Exército bombardear e resgatar aviadores aliados. Como o Destacamento 101 nunca teve mais do que algumas centenas de membros, ele dependia fortemente do apoio de vários grupos tribais da Birmânia. Em particular, as pessoas da etnia kachin foram vitais para o sucesso da unidade. Durante a maior parte da existência da unidade, ela financiou e coordenou vários grupos de resistência formados por povos kachin do norte da Birmânia. Um  desses grupos ficou conhecido como os Rangers Kachins. No momento de sua desativação em 12 de julho de 1945, o Destacamento 101 havia obtido resultados impressionantes. De acordo com as estatísticas oficiais, o destacamento 101 matou 5.428 japoneses e resgatou 574 aliados. Fotografia tirada perto de Myitkyina, no Estado de Kachin, Birmânia (Myanmar), em junho de 1942.

Brasil - Segunda Guerra Mundial

Soldados brasileiros da Força Expedicionária Brasileira,  fazem o sinal vitória  antes de embarcar em um navio que os levará para  lutar na campanha italiana. O Brasil se juntou aos Aliados declarando guerra às potências do Eixo em 22 de agosto de 1942, após o afundamento de vários navios mercantes brasileiros por submarinos alemães. No total, 21 submarinos alemães e 2 italianos causaram o afundamento de 36 navios mercantes brasileiros.  A partir de agosto de 1942, a Marinha do Brasil e a  Força Aérea Brasileira, serviram no Atlântico até o fim das hostilidades em 1945. Em setembro de 1944, 25.700 combatentes brasileiros foram enviados para lutar na Itália.  O Brasil foi a única nação sul-americana soberana a enviar forças para combater na Europa. Rio de Janeiro. Brasil. Setembro de 1944.

Nova Guiné: Segunda Guerra Mundial

Dois civis de Papua entregam caixas do plasma de sangue em macas improvisadas em um hospital de campo australiano durante a Batalha de Buna-Gona, parte da Campanha da Nova Guiné. A batalha começou em 16 de novembro de 1942, quando as forças australianas e americanas atacaram as principais cabeças de praia japonesas na Nova Guiné, em Buna, Sanananda e Gona. Os papuas receberam o amável (embora agora, não muito politicamente correto) apelido de “Fuzzy Wuzzy Angels” por seu apoio incansável, paciência e cuidado com os soldados feridos. Fotografia tirada perto de Buna, Província de Oro, Território de Papua (agora Papua Nova Guiné). Novembro de 1942.

Refugiados da Segunda Guerra Mundial

Refugiados estônios chegam com segurança a um navio alemão em Gotenhafen, na Polônia ocupada pelos alemães, fugindo da ocupação soviética e da anexação da Estônia. Temendo o retorno dos soviéticos, milhares de estonianos se  arriscaram em uma perigosa travessia do Mar Báltico para a Suécia e a Finlândia em pequenas embarcações. Outros embarcaram em navios militares alemães que os levariam para a Alemanha. Milhares de pessoas perderam a vida tentando fugir; por afogamento, por ataques aéreos soviéticos ou pelo torpedeamento dos navios em que viajavam. A maioria nunca voltaria para casa. Quando a guerra terminou, muitos refugiados estônios se estabeleceriam permanentemente na Suécia, no Canadá e nos Estados Unidos. A Estônia só recuperaria a sua independência da União Soviética em 20 de agosto de 1991. Gotenhafen, Pomerânia, Polônia. Setembro de 1941.

creta na segunda guerra mundial

Partisans de Creta posam para uma fotografia após a invasão do Eixo da ilha grega. Parte da grande resistência grega, começou em 20 maio 1941 quando paraquedistas alemães invadiram a ilha na Batalha de Creta. Pela primeira vez durante a guerra, as forças alemãs enfrentaram em Creta uma reação valente e violenta da população civil local. Os cretenses; homens, mulheres e até mesmo crianças, atacaram os paraquedistas com facas, machados, foices, porretes ou até mesmo de mãos limpas, numa demonstração de resistência desafiadora que se tornaria lendária. Devido às muitas perdas sofridas, o comando nazista nunca mais usaria paraquedistas  para liderar operações de invasão. Embora fossem subjugados pelos alemães após a feroz reação inicial, os cretenses continuaram a combater  os ocupantes alemães até 1945. Fotografia tirada em Creta, Grécia. Maio de 1941.



Irã na Segunda Guerra Mundial

Um soldado iraniano vigia dois turistas alemães perto da fronteira iraniano-turca. Embora o Irã fosse oficialmente neutro durante a Segunda Guerra Mundial, as potências Aliadas acreditavam que o monarca do Estado Imperial do Irã, Reza Pahlavi, era demasiado complacente com as potências do Eixo. O Irã foi invadido em 25 de agosto de 1941 pelas forças anglo-soviéticas durante a Operação Countenance e Reza Pahlavi foi deposto, sendo substituído por seu jovem filho, Mohammad Reza Pahlavi. Os soviéticos ocupariam então o norte do Irã e os britânicos, o sul do país. Tabriz, província do Azerbaijão Oriental, Irã. Março de 1941.

africanos na segunda guerra mundial

Soldados senegaleses aliados (em francês:  Tirailleurs Sénégalais ) embarcam em Douala, Camarões, a caminho de Fort Lamy (atual N'Djamena), no Chade, para se juntarem às Forças Francesas Livres do General Leclerc. Félix Éboué, o governador do Chade (então parte da África Equatorial Francesa), havia proclamado sua lealdade a Charles de Gaulle e à França Livre. Durante a guerra, os franceses confiavam fortemente no aeroporto de Fort Lamy para mover tropas e suprimentos. Apesar do nome, nem todos os soldados senegaleses eram do Senegal moderno. Eles eram um corpo de infantaria colonial do exército francês recrutado na África Ocidental Francesa e em toda a África Ocidental, Central e Oriental. Douala, Wouri, Camarões, África Equatorial Francesa (agora, República dos Camarões). Janeiro de 1941. Fotografia tomada por George Rodger.

Etiópia - Segunda Guerra Mundial

Membros das forças irregulares etíopes se reúnem em Adis Abeba, fortemente armados com armas capturadas dos italianos, para ouvir a proclamação que anunciava o retorno à capital do Imperador Haile Selassie, durante a Campanha da África Oriental. Os italianos renderam a cidade em 21 de maio de 1941. A Campanha do Leste Africano chegaria ao fim após a Batalha de Gondar, com o fim das hostilidades em larga escala entre as Forças Aliadas e a Itália em novembro de 1941. No entanto, por quase mais dois anos, grupos dispersos das tropas italianas que se recusaram a entregar-se, travaram uma campanha de guerrilha contra os Aliados em toda a África Oriental. Adis Abeba, Etiópia. Maio de 1941.

Ciganos - Segunda Guerra Mundial

Dois meninos ciganos são obrigados a tocar violinos na entrada de  um campo de prisoneiros,  na França ocupada pelos alemães. Soldados alemães e um policial francês observam a cena. O genocídio dos ciganos na Europa durante a guerra, tirou a vida de aproximadamente 220.000 a 1.500.000 de pessoas, a maioria morreu assassinada nos campos de concentração, outros milhares nos  guetos erguidos nos territórios ocupados pelos nazistas. Essa tragédia ficou conhecida entre os ciganos como Porajmos ; ou seja, “a devoração” ou “a destruição” na língua romani. França. Entre 1940 e 1944.

Leia também: Johann Trollman, o boxeador cigano que humilhou Hitler

Índia - Segunda Guerra Mundial

Um soldado sikh da 4ª divisão do exército indiano, agregada às forças britânicas, segura uma bandeira nazista, capturada após a rendição das forças alemãs na Itália. Atrás dele, pode-se ver a inscrição fascista  “Viva o Duce” ( Benito Mussolini ). Fotografia de maio de 1945.

Muçulmanos - Segunda Guerra Mundial

Membros muçulmanos da 13ª Divisão de Montanha da Waffen SS Handschar, oram na cidade alemã de Neuhammer. Essa divisão foi criada pelos alemães para restaurar a ordem na Iugoslávia. Foi a primeira divisão não germânica da Waffen-SS e sua formação marcou a expansão da Waffen-SS para uma força militar multi-étnica.

Fotos de uma 2ª Guerra Mundial quase desconhecida Fotos de uma 2ª Guerra Mundial quase desconhecida Reviewed by Bento Santiago on abril 05, 2017 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.